1 ano de tombo.pt

Parabéns a você, tombo.pt

No passado dia 4 de Junho fez um ano que o tombo.pt "nasceu".

Ou talvez não... Já uns meses antes (26 de Abril de 2013) tinha sido adquirido o domínio Internet. Um mês depois, a 23 de Maio, numa mensagem no fórum GeneAll,o projecto foi pela primeira vez revelado, sem no entanto indicar onde estava. Já tinha começado nessa altura a indexação dos 17 Arquivos Distritais (Braga estava ainda offline) e do Cento de Conhecimento dos Açores, "visitando" todas as páginas das paróquias, séries e livros. Na altura eram cerca de 4.400 freguesias, 18.000 séries e mais de 400.000 livros. O processo de indexação durou ainda algumas semanas, para não sobrecarregar os servidores da (na altura) DGARQ. O dia 4 de Junho de 2013 marca o dia em que aconteceu uma alteração substancial: a base de dados completa passou a ser usada para permitir pesquisas diárias.. Em vez de percorrer estes largos milhares de páginas todos os dias, o indexador começa por perguntar ao arquivo quantos livros existem e quando este responde que existem livros novos, o sistema tenta descobrir onde apareceram essas novidades. Para isso repete a pergunta começando a nível de concelho depois freguesia e finalmente a série. Em vez de várias semanas, o indexador consegue descobrir as diferenças em menos de 2 horas.

Entretanto, e apesar de receber e-mails diários do indexador com as novidades, o sistema ainda funcionava em segredo. Foi apenas a partir do dia 11 de Julho de 2013 que o tombo.pt ficou público, mais uma vez através de um anúncio no GeneAll. Numa fase ainda embrionária do site (ainda em versão alfa), a lista de novidades diárias passou a ser disponibilizada para todos na Internet. A principal motivação para a colocação online desta versão foi o início, dois dias antes1, de um processo de disponibilização de livros por parte dos Arquivos que ainda decorre quase ininterruptamente. A partir desse dia, apenas não houve novidades em 15 dias úteis. Durante esses primeiros 5 meses, o site era visitado em média 12 vezes por dia, como se pode ver no gráfico seguinte:

Visitas diárias entre Julho e Dezembro de 2013

O tombo.pt permaneceu em "alfa" até ao dia 13 de Dezembro de 2013, com a versão actual a ser construída aos poucos, altura em que o aparecimento de um site com características semelhantes da autoria do Rui Freixedelo forneceu o ímpeto necessário à finalização do projecto e à disponibilização para todos da versão "beta". O aumento da quantidade de visitantes diários foi notável a partir desse momento, como se pode observar no seguinte gráfico:

Visitas diárias entre Dezembro de 2013 e Junho de 2014

Algumas datas importantes da versão beta:

13 de Dezembro 2013
Lançamento da versão beta do tombo.pt.
20 de Dezembro 2013
Início da indexação do Arquivo Distrital de Braga.
14 de Janeiro de 2014
Lançamento da página no Facebook.
18 de Janeiro de 2014
Artigo no jornal Público com ligação para o tombo.pt.
19 de Janeiro de 2014
Início da indexação do Arquivo Municipal de Guimarães e do Arquivo Regional da Madeira.
14 de Fevereiro de 2014
Entrevista com o autor no blog do MyHeritage.
25 de Fevereiro de 2014
Introdução de anúncios no site, para pagar um novo servidor devido ao aumento de tráfego.
27 de Fevereiro de 2014
Transferência do domínio etombo.com onde o Tiago Faro Pedroso disponibilizava o Etombo que serviu de inspiração a este site.
4 de Março de 2014
Início da indexação do Arquivo e Museu Diocesano de Lamego.
14 de Março de 2014
Fusão das páginas do Facebook do etombo na do tombo.pt.
31 de Março de 2014
Início da indexação do Arquivo Municipal de Mafra.
11 de Abril de 2014
2 mil likes na página do Facebook.
26 de Maio de 2014
Passagem para um servidor em Portugal, patrocinado pela publicidade, fim da fase beta.

1 ano nos Arquivos

No ano que se passou, os Arquivos Portugueses tiveram, provavelmente, um dos anos mais produtivos desde que o processo de digitalização começou. Foram colocados online 54.054 livros paroquiais, tendo passado de 137.572 livros para o total de 191.626 actualmente. Esse valor representa cerca de metade do total de livros no catálogo dos arquivos indexados, uma marca que deverá ser ultrapassada em breve.

Além do trabalho diário, durante este ano, tivemos algumas excelentes notícias:

10 de Julho de 2013
O Arquivo Distrital de Castelo Branco começa a disponibilizar os primeiros livros.
9 de Agosto de 2013
O Arquivo Distrital de Faro chega a 99.6% de livros disponíveis.
29 de Novembro de 2013
O Arquivo Distrital de Lisboa começou a disponibilizar alguns dos livros externos ao distrito de Lisboa.
20 de Dezembro de 2013
A Universidade do Minho / Arquivo Distrital de Braga começa a disponibilizar os primeiros livros no seu site próprio.
2 de Janeiro de 2014
O Arquivo Distrital de Portalegre chega a 98.9% de livros disponíveis.
4 de Março de 2014
O Arquivo e Museu Diocesano de Lamego começa a disponibilizar os primeiros livros.
21 de Maio de 2014
O Arquivo Distrital de Setúbal passa a ser o arquivo com maior percentagem de livros disponibilizados (99.8%).

Para terminar este artigo, deixo-vos com uma tabela com a evolução detalhada das estatísticas, e ainda dois gráficos onde é mais fácil perceber a evolução de cada arquivo, o primeiro com a evolução em termos absolutos (quantidade de livros) e o segundo em termos relativos (% do catálogo disponibilizado).

Arquivo Livros Digitalizados Não-duplicados
por digitalizar
% Livros Digitalizados Não-duplicados
por digitalizar
% Livros Digitalizados Não-duplicados
por digitalizar
%
4 de Junho de 2013 diferença 6 de Junho de 2014
Arquivo Distrital de Aveiro 17438 8889 8549 51.0% 4473 4792 -319 11.5% 21911 13681 8230 62.4%
Arquivo Distrital de Beja 21525 7832 9435 45.4% 4566 4380 -4217 24.7% 26091 12212 5218 70.1%
Arquivo Distrital de Braga 0 0 0 0.0% 16818 5414 11404 32.2% 16818 5414 11404 32.2%
Arquivo Distrital de Bragança 35271 4076 31188 11.6% 157 1419 -1262 4.0% 35428 5495 29926 15.5%
Arquivo Distrital de Castelo Branco 17824 0 17824 0.0% 437 8292 -7855 45.4% 18261 8292 9969 45.4%
Arquivo Distrital de Coimbra 17286 14848 2438 85.9% 658 190 468 -2.1% 17944 15038 2906 83.8%
Arquivo Distrital de Évora 19685 1225 18460 6.2% 59 1498 -1439 7.6% 19744 2723 17021 13.8%
Arquivo Distrital de Faro 9148 8099 1049 88.5% 0 1012 -1012 11.1% 9148 9111 37 99.6%
Arquivo Distrital da Guarda 72574 695 29338 2.3% 302 64 -163 0.2% 72876 759 29175 2.5%
Arquivo Distrital de Leiria 8501 2373 6128 27.9% 2001 2431 -430 17.8% 10502 4804 5698 45.7%
Arquivo Distrital de Lisboa 41756 17492 14040 55.5% 1 6826 -3812 14.9% 41757 24318 10228 70.4%
Distrito de Lisboa 31258 17476 3558 83.1% 1 5149 -2135 11.0% 31259 22625 1423 94.1%
Outros distritos 10498 16 10482 0.2% 0 1677 -1677 16.0% 10498 1693 8805 16.1%
Arquivo Distrital de Portalegre 12662 8115 1320 86.0% 7200 2069 -1205 12.9% 19862 10184 115 98.9%
Arquivo Distrital do Porto 37238 32319 4919 86.8% 1714 102 1612 -3.6% 38952 32421 6531 83.2%
Arquivo Distrital de Santarém 10406 1390 9015 13.4% 3843 1142 1730 5.7% 14249 2532 10745 19.1%
Arquivo Distrital de Setúbal 9241 9038 203 97.8% 725 909 -184 2.0% 9966 9947 19 99.8%
Arquivo Distrital de Viana do Castelo 9567 486 9081 5.1% 2700 327 2373 1.5% 12267 813 11454 6.6%
Arquivo Distrital de Vila Real 24887 12572 12315 50.5% 1 1032 -1031 4.1% 24888 13604 11284 54.7%
Arquivo Distrital de Viseu 30054 1832 7672 19.3% 33 3005 -3003 31.6% 30087 4837 4669 50.9%
Arquivo e Museu Diocesano de Lamego 0 0 0 0.0% 7908 7543 365 95.4% 7908 7543 365 95.4%
Arquivo Regional da Madeira* 8774 437 8336 5.0% 0 0 0 0.0% 8774 437 8336 5.0%
Centro de Conhecimento dos Açores 3414 3414 0 100.0% 1606 1606 0 0.0% 5020 5020 0 100.0%
Arquivo Municipal Alfredo Pimenta* 2427 2427 0 100.0% 1 1 0 0.0% 2428 2428 0 100.0%
Arquivo Municipal de Mafra* 13 13 0 100.0% 0 0 0 0.0% 13 13 0 100.0%
Arquivo Histórico da Diocese de Vila Real 0 0 0 0.0% 9693 0 9693 0.0% 9693 0 9693 0.0%
Total 409691 137572 191310 41.8% 64896 54054 1713 8.0% 474587 191626 193023 49.8%

Gráfico com a evolução do número absoluto de livros disponibilizados por cada Arquivo

Gráfico com a evolução do número relativo de livros disponibilizados por cada Arquivo

1. Possivelmente relacionada com a campanha iniciada pela D. Manuela Alves 5 dias antes, dia 4 de Julho, na sua mensagem no grupo Genealogias Poveiras no Facebook.