FamilySearch

Microfilmagem e digitalização dos registos paroquiais pela FamilySearch

A FamilySearch1, marca actualmente usada pela antiga Sociedade Genealógica do Utah (SGU), disponibiliza um dos maiores sites de referência para a comunidade mundial de genealogistas. A SGU/FamilySearch é a responsável pela microfilmagem e digitalização dos registos paroquiais de Portugal, através de um protocolo com o Governo Português celebrado em 2006. A FamilySearch é a organização de pesquisa genealógica da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD, também conhecida como a Igreja Mórmon), que disponibiliza o site FamilySearch.org, e os Centros de História da Família (CHF, na versão inglesa FHC). A pesquisa genealógica é especialmente importante para os crentes desta religião, que crêem que apenas serão salvas as almas dos que se encontram baptizados2, encorajando assim os crentes a descobrir os seus antepassados.

Independentemente das razões, a verdade é que a parceria com a FamilySearch permitiu ao Estado obter de forma gratuita os serviços de microfilmagem e digitalização, tornando possível o acesso via Internet à maioria dos livros paroquiais portugueses sem a necessidade de deslocação ao arquivo respectivo. Na prática, infelizmente, a quantidade de livros online varia com cada Arquivo, sendo que alguns já disponibilizaram quase todo o seu acervo, enquanto outros ainda têm muito trabalho pela frente. Uma forma de obter acesso imediato a estes livros seria através do FamilySearch.org, mas infelizmente, e segundo os termos do acordo com o Governo (ver artigo 6), a FamilySearch não o pode fazer a não ser que os Arquivos não os disponibilizem "no prazo de 2 anos após a conclusão de cada projecto"3.

Os registos paroquiais no FamilySearch.org

O site da FamilySearch permite consultar a lista de livros paroquiais já digitalizados na página de registos genealógicos de Portugal. Infelizmente, na maior parte dos casos esta é a resposta dada pelo site:

Para ver as imagens, você deve escolher uma das seguintes opções: Entrar no FamilySearch.org como membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Este aviso aparece para todos os utilizadores, a não ser que tenha uma conta SUD, exclusiva para membros da Igreja. Os indexadores também não têm o acesso necessário.

As únicas colecções portuguesas disponíveis ao público em geral no site da FamilySearch são as seguintes:

Nenhum dos arquivos de origem destas colecções depende da DGLAB, uma vez que os arquivos de Braga e Coimbra são universitários, o de Elvas é um arquivo municipal, e o de Vila Real é diocesano. Por esse motivo, não são abrangidos pela proibição de acesso imposta pelo protocolo.

Como aceder aos registos paroquiais restritos

Não há muito que possa fazer para ter acesso a estas imagens, mas talvez os seguintes conselhos possam ajudar:

  • Experimente procurar aqui no tombo.pt. Se esse livro já tiver sido disponibilizado pelos arquivos portugueses, vai poder aceder-lhe facilmente através deste site.
  • Dirija-se a um Centro de História da Família. Os Mórmones têm uma rede extensa destes centros. Se o membro SUD que o opera lhe permitir usar uma conta SUD, poderá aceder a estas imagens restritas. No CHF poderão dizer-lhe que a culpa da restrição a terceiros é imputável à Igreja Católica, o que não corresponde à verdade, uma vez que estes livros são agora propriedade dos arquivos portugueses, e foi o Governo a proibir a disponibilização universal por parte da FamilySearch.
  • Dirija-se ao Arquivo onde o livro se encontra, onde poderá ter de competir pelo uso dos leitores de microfilmes disponíveis. Em alguns arquivos até lhe deixarão manusear o livro paroquial original (!).
  • Tenha paciência. A disponibilização destes livros na Internet é um projecto em curso pela maior parte dos arquivos. Visite-nos regularmente para ficar a par das novidades diárias por parte dos arquivos.

1. FamilySearch e o logótipo da FamilySearch são marcas registadas da Sociedade Genealógica do Utah.
2. Esta controversa prática de baptismo dos mortos levou inclusive a que em 2008, o Vaticano tenha instruído as dioceses católicas a negar aos Mórmones o acesso aos registos paroquiais.
3. Será que algum dos projectos chega a estar concluído?